Newsletter da SPEDM

Espaço do Interno - Mariana Ornelas

Espaço do Interno
Ed.
Janeiro 2024

Nome: Mariana Ornelas

Hospital: Hospital Central do Funchal

Ano de Internato atual: 4º ano

Locais dos Estágios realizados:

  • Serviço de Endocrinologia do Centro Hospitalar Universitário de São João (tendo oportunidade de assistir a algumas consultas de Endocrinologia Pediátrica no serviço de Pediatria);
  • Medicina Nuclear no IPO-Porto;
  • Imagiologia Clínica no Serviço de Imagiologia da ULSM - Hospital Pedro Hispano (com possibilidade de assistir a consultas no Serviço de Endocrinologia);
  • Hospital Pediátrico de Coimbra (com realização de urgência no Serviço de Endocrinologia do Centro Hospitalar Universitário de Coimbra);
  • Serviço de Endocrinologia no IPO-Lisboa

 

Confesso que, quando me endereçaram este convite, a primeira coisa que me ocorreu foi o que teria a visão de uma madeirense a acrescentar à dos colegas em território continental. Após reflexão, concluí que a oportunidade ímpar de frequentar estágios pelos diversos centros hospitalares de norte a sul do país poderia ser uma partilha útil.

Nos diferentes centros, tive a oportunidade de contactar com diferentes provas dinâmicas de Endocrinologia para o mesmo fim diagnóstico (défice de hormona de crescimento): desde o teste de tolerância à insulina à prova de estimulação com clonidina ou glucagon. Presenciei várias técnicas de PAAF de nódulos da tiroide, sendo que num centro esta conta presencialmente com um anatomopatologista durante o procedimento (presta parecer relativamente à qualidade da amostra).

A organização logística dos serviços foi outro fator distintivo. Assisti a múltiplas consultas específicas - hipófise, diabetes/PSCI, disforia de género, oncologia tiroideia, reabilitação (vigilância de sequelas endócrinas após terapêuticas antineoplásicas), pé diabético, educação terapêutica - com grande volume de doentes. Curiosamente, um dos centros realiza consulta de triagem onde é avaliada a necessidade de seguimento pela Endocrinologia dos doentes referenciados, podendo o doente ser rapidamente orientado para uma consulta específica ou ter alta. Interessantemente, nas enfermarias, os tipos e esquemas de insulinoterapia realizados bem como os respetivos ensinos aos doentes são variáveis. Observei ainda síndromes genéticas raras (acondroplasia e neoplasias endócrinas múltiplas) na Pediatria.

Quando crescemos profissionalmente num serviço, estamos centrados nele, estejamos num hospital central ou periférico, num continente ou numa ilha; experienciar outro ambiente fora da nossa zona de conforto só poderá resultar na ampliação de perspetivas. Como José Saramago afirmou, “é preciso sair da ilha para ver a ilha. Não nos vemos se não saímos de nós.”

Agradeço o carinho com que fui recebida, inclusivamente nos serviços em que não estava previsto receber-me.