Newsletter da SPEDM

Tema de Capa - Nutrição e Sustentabilidade - Sofia Castro Oliveira

Tema de Capa
Ed.
Janeiro 2024

Nutrição e Sustentabilidade

Vivemos numa era de desafios globais, a sustentabilidade é um deles, assumindo-se nos dias de hoje como elemento incontornável das agendas políticas de todo o mundo. O conceito de sustentabilidade pode ser definido como a capacidade de satisfazer as necessidades presentes, sem comprometer as necessidades das gerações futuras, e está fundamentado em três dimensões: económica, ambiental e social, que também fundamentam o conceito de segurança alimentar e nutricional. Promover dietas sustentáveis significa equilibrar a saúde, o bem-estar, a preservação da biodiversidade, do meio ambiente e do clima, o comércio justo, os alimentos sazonais e locais, o conhecimento e a herança cultural, a acessibilidade e a segurança alimentar.

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), a indústria alimentar é responsável por 30% do consumo de energia e pela emissão de 22% dos gases de efeito estufa que promovem o aquecimento global em todo o mundo, sendo que na Europa cerca de 20% dos alimentos produzidos são desperdiçados. Estima-se que, em 2050, a humanidade atingirá 9 mil milhões de pessoas, o que demanda uma produção de alimentos 60% maior, paralelamente com a escassez cada vez maior de recursos críticos. Dada a evidência inegável do forte impacto que o sistema alimentar tem a nível ambiental (desde a produção dos alimentos, ao seu processamento, distribuíção, consumo e tratamento/eliminação dos resíduos alimentares), torna-se emergente a transição para um sistema alimentar sustentável, apoiado pela ação pública em diferentes domínios e em que os cidadãos se alinhem com os enormes desafios a ele inerentes.

No âmbito da sustentabilidade alimentar, em 2016 a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO, Food and Agriculture Organization) estabeleceu cinco pilares de abordagem: 1) melhorar a eficiência na utilização dos recursos; 2) ter uma ação direta para conservar, proteger e melhorar os recursos naturais; 3) proteger os meios rurais de subsistência e melhorar a equidade e o 2 bem-estar social; 4) melhorar a resiliência das pessoas, comunidades e ecossistemas, especialmente as alterações climáticas e a volatilidade dos mercados; e 5) promover a boa governação para uma melhor sustentabilidade dos sistemas naturais e humanos.

Com base nestes princípios, a Associação Portuguesa dos Nutricionistas (APN) recomenda as seguintes medidas para uma alimentação mais saudável e sustentável dos portugueses: 1) Sempre que possível compre a produtores locais; 2) Prefira alimentos frescos, locais e da época; 3) Tenha uma Alimentação Mediterrânica; 4) Repense, Reduza, Reutilize e Recicle; e 5) Ajude a promover a Alimentação Saudável - Envolva-se. A APN tem a decorrer, desde 2017, um Programa de Sensibilização e Informação sobre Sustentabilidade Alimentar. Também a Comissão Europeia estabeleceu as estratégias “Do Prado ao Prato” e da Biodiversidade para 2030, que se reforçam mutuamente e são fundamentais para o cumprimento do Pacto Ecológico Europeu. A interação entre Nutrição e Sustentabilidade assume, atualmente, uma importância crescente, devendo ser continuamente promovida e consolidada.

São muitos os desafios mas inúmeras e promissoras as soluções. Desde modos de produção de alimentos mais sustentáveis, como a agricultura biológica, biodinâmica e natural; refeições que incluam mais produtos de origem vegetal, que têm uma redução expressiva sobre a pegada de carbono, hídrica e ecológica; priviligiar alimentos e produtos locais e sazonais, permitindo reduzir o impacto ambiental do transporte terrestre, aéreo ou marítimo por longas distâncias; e a redução da perda e do desperdício de alimentos em todas as etapas de produção, armazenamento, transporte e consumo. Conclui-se assim que é fundamental e emergente uma reflexão crítica, discussão e decisão conjunta entre os diversos interlocutores da área da Alimentação e Nutrição, possibilitando a construção de uma visão comum para a sustentabilidade alimentar.